terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Minas registra segunda morte por dengue em 2016


No geral, subiram no estado todas as notificações de problemas que têm como origem a picada do mosquito Aedes aegypti: dengue, febre chikungunya, zika e casos de microcefalia relacionada com o zika vírus

postado em 02/02/2016 17:23 / atualizado em 02/02/2016 18:03
Carolina Mansur , Paula Carolina /Estado de Minas
De acordo com o novo Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de dengue, divulgado nesta terça-feira pela Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES), mais uma morte por dengue foi confirmada em Minas em 2016, dessa vez em Patrocínio.

O óbito foi em 12 de janeiro, mas a confirmação da relação com a doença só foi divulgada nesta terça-feira pela SES. Trata-se uma senhora de 92 anos, diagnosticada no último dia 2. Segundo o boletim, a paciente apresentava comorbidade, ou seja, tinha outras doenças associadas. A idosa de Patrocínio, segundo o secretario de saúde do município, Wesley Faber, era cardiopata.

O outro caso foi registrado em Belo Horizonte, na última sexta-feira. A Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) revelou que o óbito foi de uma mulher, de 47 anos, moradora da Região Noroeste da capital, que morreu no dia 13 de janeiro, em um hospital particular. No município, até a semana passada, havia 77 casos notificados e 38 confirmados.

Já no estado, até o boletim divulgado na semana passada, havia 20.859 casos prováveis (que reúnem os confirmados e os suspeitos) no estado em 2016. Número que esta semana subiu para 37.737.

O número de notificações da febre chikungunya dobrou da semana passada para esta terça-feira, passando de 80 para 160. Mas ainda não há confirmação da doença no estado. Estão sob investigação 114 registros, tendo sido descartados 46.

Também subiu o número de notificações para febre zika. Sem considerar mulheres grávidas, o número de notificações foi de 24 para 50, estando todos ainda sob investigação. Já o registro em gestantes subiu de 20 para 27 e as notificações de microcefalia em bebês (considerando a provável relação com o zika vírus) foram de 48 para 58. Até o momento, a SES segue com um caso confirmado de gestante infectada pelo zika e outro caso confirmado de bebê com microcefalia decorrente da infecção por zika (no total de duas grávidas infectadas). O estado investiga 19 casos de microcefalia (até a semana passada eram 8) e 22 gestantes infectadas (contra 16 da semana passada).
Nessa segunda-feira, o município de Juiz de Fora divulgou a confirmação do que seria o terceiro caso no estado de infecção pelo zika em uma gestante. Esse caso não aparece como confirmado no boletim da SES-MG, que informou  não ter ainda computado o caso porque os testes foram realizados por um laboratório particular. A orientação do Ministério da Saúde é que, nesses casos, os exames sejam refeitos por laboratórios públicos, para confirmação ou descarte. No caso de Minas Gerais, o laboratório de referência é o da Fiocruz, no Rio de Janeiro. O caso ainda está em investigação.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

POLICIAL MILITAR DÁ EXEMPLO DE SUPERAÇÃO AO SEGUIR NA ATIVIDADE MESMO APÓS TRÁGICO ACIDENTE

Comando do Oitavo Batalhão convida Policial Militar do Batalhão de Polícia de Choque para ministrar palestra.  As fatalidades da vid...