sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Cadete da PM morre depois de ser baleado dentro de Batalhão em Belo Horizonte


Tiro que atingiu a barriga do militar foi disparado depois de aula de instrução de tiros na sede do 5º Batalhão da PM, em circunstâncias ainda não esclarecidas

Publicação: 02/08/2013 18:17 Atualização: 02/08/2013 18:36

Um cadete do Curso de Formação de Oficiais (CFO) da Polícia Militar morreu no fim da tarde desta sexta-feira depois de ser baleado dentro do 5º Batalhão da Polícia Militar, Bairro Gameleira, Região Oeste de Belo Horizonte. Ele participava de um treinamento rotineiro de instrução de tiro e as circunstâncias em que foi baleado ainda não foram esclarecidas.

De acordo com a Polícia Militar, o cadete Camargos, de 32 anos, estava no terceiro ano do curso e se tornaria oficial da corporação no fim deste ano. A aula, realizada no Estande de Tiro da Coporação, já havia acabado quando ele foi baleado. Segundo a assessoria de imprensa da corporação, o tiro teria sido disparado quando era feita a limpeza e organização das armas. O caso está sendo tratado como incidente.

O tiro atingiu o abdômen do militar, que chegou a ser levado para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, mas não resistiu ao ferimento e morreu. O fato ocorreu por volta das 17h e, segundo a PM, até as 18h a família do cadete ainda não havia sido contatada. Ele era casado e deixou um filho de 8 anos de idade.

Por meio de nota, a PM lamentou a morte do cadete e esclareceu que já foi instaurado um Inquérito Policial Militar para apurar as circunstâncias do fato. No comunicado, a corporação destacou que enquanto era feita a limpeza das armas, os alunos ouviram o barulho de um tiro e, logo em seguida, perceberam que o cadete Camargos estava ferido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Projeto de Lei 8337/2017 é de autoria do Deputado Federal Subtenente Gonzaga e prevê a prisão preventiva pela prática reiterada de crimes.

Projeto de Lei 8337/2017 é de autoria do Deputado Federal Subtenente Gonzaga e prevê a prisão preventiva pela prática reiterada de crim...