quarta-feira, 28 de agosto de 2013

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL: Cortesia e educação


                                                               
                         CLÁUDIO CASSIMIRO DIAS – (SARGENTO PM) CRIMINÓLOGO

                Quando falamos em relacionamento humano tocamos em um assunto bastante controverso, uma vez que onde há pessoas, há pensamentos diversificados e de múltiplas visões individuais.
                Os Especialistas fazem palestras e encontros para debates em torno do comportamento humano, porém, nunca descartam as nuances e divisão em tópicos acerca do relacionamento entre as pessoas.
                Dentro desses aspectos ainda há que levar em consideração os diversos tipos de relacionamento interpessoais, podendo ser no ambiente de trabalho, familiar, no ponto do ônibus, na lanchonete, ou mesmo, nos relacionamentos amoroso-sentimentais.
                Relacionamentos entre as pessoas ocorrem a todo momento, uns mais instantâneos,  outros mais duradouros, porém, cada qual com sua particularidade e formato das pessoas se relacionarem.
                Não há como falar em relacionamento interpessoal sem falar dos princípios da boa educação. Pessoas educadas podem dar e espalhar afeto e cortesia no seio do relacionamento.
                É claro, que existem variáveis que influenciam no relacionamento interpessoal, como por exemplo, o humor, o horário, a oportunidade, a forma da abordagem, a imposição das palavras, dentre diversas variações de comportamento.
                Se desejarmos BOM DIA, a alguém, a chance de se ter uma resposta no mesmo nível é grandiosa. Mas, pode ser que a pessoa esteja de mal humor e responda: - BOM DIA para você, para mim é péssimo dia.
                Para analisarmos a forma como uma pessoa trata a outra faz-se necessário verificar com isenção diversos aspectos que podem influenciar naquele momento.
                O objetivo desse texto é exatamente o de permitir aos leitores que não se preocupam de como têm tratado seus amigos, colegas e ou conhecidos e mesmo familiares, para que possam refletir e se for o caso mudar ou procurar melhorar a forma de tratar as pessoas.
                Afinal, não se perde nada em ser cortês e tratar bem as pessoas com a quais se depara no cotidiano.
                No nosso caso de Militares, tal relacionamento tem uma variável que distingue um pouco do cidadão comum, qual seja, nos níveis hierárquicos.
                É possível ser cortês no interior dos quartéis, mesmo onde a hierarquia e a disciplina prevêem todo um cerimonial militar para que um militar se, comunique com outro. A continência, a distância regulamentar, o uso do pronome de tratamento SENHOR, a postura e compostura, o fato da continência partir do subordinado, etc.
                O Regulamento Disciplinar, qual seja, o Código de Ética dos Militares Estaduais prevê o tratamento respeitoso entre os membros da Corporação de subordinado para superior ou par, e de superior para subordinado.
                Sem contar que um ambiente de bom relacionamento nos propicia uma melhor satisfação para trabalhar e desenvolver as tarefas profissionais.
                Tenho tratado bem meus familiares? E meus colegas de trabalho? Onde está a cortesia e o respeito entre as pessoas?
                Bom, uma reflexão sobre o assunto é sempre bem vinda. Portanto, reflita.

* CLAUDIO CASSIMIRO DIAS, Sargento PM, Poeta e escritor, Especialista (Latu Sensu) em Criminologia, Bacharel em Direito, Bacharel em Historia, Acadêmico Efetivo Curricular da Academia de Letras João Guimarães Rosa da Policia Militar de Minas Gerais, Cadeira 28, Pesquisador da Historia Militar e palestrante.




                

Nenhum comentário:

Postar um comentário