sábado, 16 de abril de 2016

Com oscilação de placar, Temer e Dilma reúnem aliados a um quilômetro de distância


Ex-presidente Lula também está em Brasília para corpo a corpo com apoiadores e aliados
Mariana Londres, do R7, em Brasília, e Felipe Varela, da Record Brasília
Mapa mostra a proximidade do Jaburu, QG de Temer, Alvorada, QG de Dilma e Hotel Royal Tulip, QG de LulaReprodução/Google Earth
Com a oscilação do placar e a indefinição do resultado da votação pela abertura do processo de impeachment marcada para este domingo (17), a presidente Dilma e o vice-presidente Temer mudaram as suas agendas neste sábado (16) e estão reunidos a cerca de um quilômetro de distância em suas residências oficiais, onde funcionam os ‘QGs’ das articulações políticas para conquistar os votos dos indecisos.

Pela barreira montada da Via Palácio Presidencial, que dá acesso aos dois palácios, Jaburu, residência oficial da Vice-Presidência, e Alvorada, residência oficial da Presidência, já passaram uma dezena de carros pretos com lideranças e deputados aliados dos dois lados, PMDB e PT. O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), foi um dos que chegaram ao Alvorada para se reunir com Dilma.

Perto das 11h30, a comitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também passou pelo bloqueio em direção ao Alvorada. Antes de ir ao palácio, o ex-presidente esteve em um acampamento no ginásio Nilson Nelson que reúne integrantes de vários movimentos sociais. Os movimentos vieram a Brasília nesta semana para apoiar o governo. No evento, Lula disse que iria se encontrar com três governadores neste sábado. Wellington Dias é um deles. 

Dilma também iria ao ginásio ao lado de Lula para agradecer o apoio e encorajar os movimentos a protestarem contra o impeachment na Esplanada, mas diante do placar apertado para a votação optou por ficar no Alvorada recebendo aliados e convocou seus ministros para fazer o mesmo.

Há uma guerra de números e o governo comemora o fato de ter conseguido virar alguns votos — assegura, agora, que tem os 172 mínimos necessários. Mas a oposição também garante ter as 342 adesões pelo impedimento.

No levantamento feito pelo Estadão, há 342 favoráveis e 133 contra. No levantamento da Folha de S.Paulo, são 345 a favor e 127 contra. Mas os números oscilaram na noite de ontem e o governo teve vantagem durante um período.

Com isso, o vice Michel Temer, que ia ficar em São Paulo acompanhando a votação, decidiu voltar para Brasília para fazer suas articulações, sinal de que os oposicionistas não consideram o jogo ganho. Temer passou a última semana recebendo uma legião de aliados no Jaburu.

QG de Lula

Na mesma região dos Palácios do Alvorada e Jaburu, a cerca de um quilômetro de cada um, fica o Hotel Royal Tulip Alvorada, um complexo de hotel e flats onde moram vários políticos, como Delcídio do Amaral. Lula está hospedado no hotel desde a semana passada, onde montou um ‘QG’ de articulação paralela.

Após ir ao Alvorada, o comboio do ex-presidente voltou ao hotel, com o presidente, para que seus seguranças contivessem uma manifestação pró-impeachment que acontecia na porta. Os manifestantes pró-impeachment deixaram o local, e apoiadores do governo, com bandeiras da CUT e camisetas vermelhas, chegaram ao local.

Nenhum comentário:

Postar um comentário